quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

7 dez- 2017 | Divulgamos- Bonecos de Estremoz - Património Imaterial da Humanidade - UNESCO

UNESCO declara Bonecos de Estremoz como Património Cultural Imaterial

     A UNESCO classificou hoje como Património Cultural Imaterial da Humanidade a produção dos "Bonecos de Estremoz", em barro, uma arte popular com mais de três séculos.
     A classificação da "Produção de Figurado em Barro de Estremoz", vulgarmente conhecida como "Bonecos de Estremoz", foi decidida na 12.ª Reunião do Comité Intergovernamental da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que decorre na Ilha Jeju, na Coreia do Sul, até sábado.
     A decisão, que ocorreu pelas 01:05 (hora de Lisboa), foi bastante celebrada pela comitiva portuguesa que durante os festejos exibiu exemplares de "Bonecos de Estremoz".
Presente na sessão, o embaixador de Portugal na Coreia do Sul, Manuel Gonçalves de Jesus, mostrou-se "bastante satisfeito" com o reconhecimento da UNESCO. (…) O diplomata saudou ainda os responsáveis da candidatura portuguesa, principalmente os artesãos que produzem os "Bonecos de Estremoz".
     O presidente do município de Estremoz, Luís Mourinha, também já se manifestou "muito feliz".

"No fundo é um momento grande da história de Estremoz em termos da sua classificação, das suas gentes, porque o figurado de barro representa tudo o que é o trabalho, tudo o que é a dificuldade dos alentejanos e dos estremocenses em particular", disse o autarca à agência Lusa.

     De acordo com Luís Mourinha, a UNESCO valorizou os "Bonecos de Estremoz", uma arte popular em barro com mais de três séculos, pela "visão do artista, do artesão sobre a sua envolvência". (…)
     Os "Bonecos de Estremoz" pertencem a uma arte de caráter popular, com mais de 300 anos de história, tendo sido o primeiro figurado do mundo a merecer a distinção de Património Cultural Imaterial da Humanidade, na sequência da candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Estremoz, no distrito de Évora.
   A candidatura teve como responsável técnico o diretor do Museu Municipal de Estremoz, Hugo Guerreiro.
     Com mais de uma centena de figuras diferentes inventariadas, a arte, a que se dedicam vários artesãos do concelho, consiste na modelação de uma figura em barro cozido, policromado e efetuada manualmente, segundo uma técnica com origem pelo menos no século XVII.

     Em Estremoz, trabalham atualmente nesta arte emblemática Afonso e Matilde Ginja, Célia Freitas, Duarte Catela, Fátima Estróia, Irmãs Flores, Isabel Pires, Jorge da Conceição, Miguel Gomes e Ricardo Fonseca.

Texto: Extracto |  Diário de Notícias (DN), 7 de dezembro de 2017


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

sábado, 11 de novembro de 2017

13-nov-2017 | NADA, o barquinho, regressa à aventura no Oceano Atlântico - Projetos “Leva Portugal ao Mundo” e “Educational Passages”

"O mito é o NADA que é tudo" Fernando Pessoa

«O próximo dia 13 de novembro (2ª feira), às 10h, vai marcar um momento inédito na história dos projetos “Leva Portugal ao Mundo” e “Educational Passages”. Pela primeira vez, será feito um lançamento simultâneo de três mini-veleiros a partir do mesmo local. O WEST, o NADA e o Crimson Voyager serão colocados a navegar no Oceano Atlântico, ao largo do Funchal, a partir das 10h.

Este triplo lançamento terá transmissão em direto e convida-se todos os alunos e professores que participaram na história destes pequenos barcos a acompanhar o seu lançamento a partir do site www.dgpm.mm.gov.pt/leva-portugal-ao-mundo.», informou a responsável pelo projeto no Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade, Professora Élia Martins.  

A biblioteca escolar associa-se ao evento, acolhendo, às 9h45, os alunos das turmas A e D do 9º ano de escolaridade que irão assistir ao lançamento do barquinho NADA, em direto, seguido de uma sessão de debate. 




Ligações de interesse: 

Página do Kit do Mar/EMEPC- http://www.emepc.pt/pt/kit-do-mar/projetos
Página do WEST no site do Kit-do-Mar/EMEPC: http://www.emepc.pt/pt/kit-do-mar/west
Página da Direção Geral de Política do Mar: https://www.dgpm.mm.gov.pt/lpm-nada
Página do programa americano "Educational Passages": http://educationalpassages.com/

Twitter da biblioteca escolar: aeaa_biblio
Twitter da Direção Geral de Política do Mar: @DGPM_Portugal
Twitter do programa americano "Educational Passages": @miniboats

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

31-out-"Pão-por-Deus" , "Día de los Muertos" e HALLOWEEENNNNNNNNN!!!!!! :))))) :O


"Pão-por-Deus" , "Día de los Muertos" e  HALLOWEEENNNNNNNNN!!!!!! 

Os alunos do 5º, 6º e 7º anos de escolaridade da Escola Básica e Secundária Anselmo de Andrade construíram, nas aulas de inglês e educação visual,  uns «estranhões, bizarrocos e outros seres sem exemplo", como diria Agualusa, para celebrarem o Halloween, que fazem parte de uma exposição patente  no átrio do pavilhão 1. Através de votação, a  escolha do melhor trabalho realizou-se na biblioteca escolar. Dentro das tradições celtas, recordaram-se também os «caretos».


A bibioteca escolar colaborou com a divulgação de uma exposição bibliográfica com obras alusivas ao Halloween. 




Também está patente a exposição da disciplina de espanhol sobre  o «Día de los Muertos». No México, o dia dos mortos é uma celebração de origem indígena, que honra os falecidos no dia 2 de novembro, recordando Frida Kahlo. Começa no dia 31 de outubro e coincide com as tradições católicas do Dia dos Fiéis Defuntos e o Dia de Todos os Santos.



Alguns alunos recordaram uma tradição portuguesa desta época, o «Pão-por-Deus»: 

Lá vai o meu coração
Sozinho sem mais ninguém
Vai pedir o Pão-por-Deus
A quem quero tanto bem


Pedimos de empréstimo ao blogue Pumpkin-Famílias Felizes a seguinte resenha sobre a tradição portuguesa do Pão-por-Deus: 

«Em Barqueiros, concelho de Mesão Frio, à meia-noite do dia 1 para 2 de Novembro, arranjava-se uma mesa com castanhas para os parentes já falecidos comerem durante a noite, “não devendo depois ninguém tocar nessa comida, porque ela ficava babada dos mortos”.
Na aldeia de Vila Nova de Monsarros, as crianças faziam os “santórios”, recebiam fruta e bolos e cada criança transportava uma abóbora oca com figura de cara, com uma vela dentro.
“Em Roriz não se chama Pão por Deus, nem bolinhos, nem santoros a comezaina que se dá aos rapazes no dia de Todos os Santos ou de Finados. O que os rapazes vão pedir por portas, segundo lá dizem, é — os fíeis de Deus.”
Nos Açores dão-se “caspiadas” às crianças durante o peditório, bolos com o formato do topo de uma caveira, claramente um manjar ritual do culto dos mortos.
Esta atividade é também realizada nos arredores de Lisboa. Antigamente relembrava a algumas pessoas o que aconteceu no dia 1 de Novembro de 1755, aquando do terramoto de Lisboa, em que as pessoas que viram todos os seus bens serem destruídos na catástrofe, tiveram que pedir “pão-por-deus” nas localidades vizinhas que não tinham sofrido danos.
Com o passar do tempo, o Pão por Deus sofreu algumas alterações, e os meninos que batem de porta em porta podem receber dinheiro, rebuçados ou chocolates.»


Enfim, tivemos a visita de muitos extraterrestres! :) E a propósito ... deixamos aqui a interpretação de Gisela João «O Sr. Extraterrestre», do seu álbum Nua (2016)! :)))))) Divirtam-se!






Créditos da Imagem dos pães: Creche Casa Amarela